7 a 1: jogadores do vexame da Copa de 2014 se reencontram no futebol brasileiro 10 anos depois

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Dez anos após 7 a 1, jogadores da Seleção se reencontram no futebol brasileiro

Vários jogadores do 7 a 1 estão em atividade no futebol brasileiro
Vários jogadores do 7 a 1 estão em atividade no futebol brasileiroProfimedia
O maior vexame da história da Seleção Brasileira completa 10 anos em 2024. O histórico 7 a 1 da Alemanha, em plena semifinal de Copa do Mundo, deixou sequelas que duram até hoje. Vários jogadores envolvidos na trágica derrota, porém, seguem em atividade e ainda se destacam no futebol nacional.

Dos 14 brasileiros que participaram do 7 a 1, quatro estão aposentados: Júlio César, Maicon e Fred, titulares, e Ramires, que entrou no segundo tempo. Outros quatro ainda defendem clubes do exterior (Dante, Oscar, Bernard e Willian), e seis atuam no Brasil:

- David Luiz (Flamengo)

- Marcelo (Fluminense)

- Luiz Gustavo (São Paulo)

- Fernandinho (Athletico-PR)

- Hulk (Atlético-MG)

- Paulinho (Corinthians) 

David Luiz e Marcelo foram alguns dos alvos no Brasil após o 7 a 1
David Luiz e Marcelo foram alguns dos alvos no Brasil após o 7 a 1Profimedia

Quatro deles, em níveis diferentes, deixaram a mácula do 7 a 1 para trás e se firmaram como peças importantes de times da Série A. Já Luiz Gustavo retornou neste ano, para o São Paulo, enquanto Paulinho sofre com graves lesões no Corinthians.

Há um sétimo elemento que trocará a Europa pelo Brasil e chegará em breve: Bernard. O atacante que substituiu Neymar no fatídico jogo acertou seu retorno ao Atlético-MG para julho.

Hulk

O atacante do Atlético-MG é, de longe, o maior caso de sucesso entre as vítimas do 7 a 1 que estão em atividade no Brasil. Depois de passar quase toda a carreira no exterior, o camisa 7 chegou ao Galo em 2021 para se tornar ídolo.

Hulk voltou ao Brasil e se tornou ídolo do Galo
Hulk voltou ao Brasil e se tornou ídolo do GaloPedro Souza/Atlético-MG

Logo em seu primeiro ano, Hulk foi o grande destaque da melhor temporada da história do clube, com a conquista da Tríplice Coroa. O atacante tem números impressionantes pelo Atlético: 95 gols e 32 assistências em três anos.

Marcelo

Assim como Hulk, o lateral-esquerdo causou um impacto imediato em seu retorno ao Brasil, em 2023. Marcelo foi peça importante do Fluminense em um ano coroado pelo título inédito da Libertadores.

Marcelo retornou ao Fluminense depois de 17 anos e entrou de vez na história do clube
Marcelo retornou ao Fluminense depois de 17 anos e entrou de vez na história do clubeMailson Santana/Fluminense

Logo no segundo jogo da volta ao clube que o revelou, o camisa 12 marcou um golaço decisivo no Fla-Flu da final do Carioca, também vencido pelo Tricolor. Marcelo retornou ao país quase 10 anos após o 7 a 1, depois de se tornar uma lenda do Real Madrid.

Fernandinho

O volante talvez tenha sido o jogador mais perseguido pelo 7 a 1. De quebra, também foi alvo de críticas na eliminação de 2018, para a Bélgica. Fernandinho, porém, voltou ao Athletico-PR em 2022 e apagou qualquer questionamento sobre seu nível — para quem ainda duvidava de um jogador que passou quase uma década no Manchester City.

Fernandinho segue em alto nível no futebol brasileiro
Fernandinho segue em alto nível no futebol brasileiroProfimedia

O meia se firmou rapidamente no Furacão e foi um dos líderes da equipe que terminou com o vice da Libertadores. Em 2023, mesmo com 38 anos, Fernandinho seguiu em alto nível e foi um dos melhores volantes do país.

David Luiz

Até hoje, o zagueiro é um dos retratos do 7 a 1. O retorno de David Luiz ao Brasil após uma enxurrada de críticas, no entanto, é marcado por duas grandes conquistas pelo Flamengo: Libertadores e Copa do Brasil, ambas como titular.

David Luiz foi campeão da América com o Fla em 2022
David Luiz foi campeão da América com o Fla em 2022Flamengo

O zagueiro perdeu um pouco de espaço em 2023. Ainda assim, David é uma das peças relevantes do elenco rubro-negro, e engrossa a lista de jogadores do 7 a 1 que ressignificaram sua relação com o torcedor brasileiro.