A marca de Franz Beckenbauer no mundo do futebol em seis momentos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A marca de Franz Beckenbauer no mundo do futebol em seis momentos

Beckenbauer venceu a Copa do Mundo com a Alemanha como jogador e técnico
Beckenbauer venceu a Copa do Mundo com a Alemanha como jogador e técnicoProfimedia
Franz Beckenbauer, que faleceu aos 78 anos, deixou sua marca no futebol mundial como jogador, técnico e dirigente.

Desde seu primeiro troféu com o Bayern de Munique em 1966 até a organização da Copa do Mundo da FIFA 2006, a AFP relembra seis datas importantes em meio século de futebol.

1970: Lutando com um braço deslocado na Copa do Mundo

Em 17 de junho de 1970, a Alemanha enfrentou a Itália nas semifinais da Copa do Mundo na Cidade do México. Pouco depois do primeiro tempo, em uma tentativa de forçar um pênalti, Beckenbauer mergulhou na área italiana, mas caiu de mau jeito sobre o braço direito, deslocando-o.

O técnico da Alemanha Ocidental, Helmut Schoen, já havia feito suas duas alterações permitidas, e o Kaiser continuou. Após o gol de empate de Karl-Heinz Schnellinger nos acréscimos, Beckenbauer jogou na prorrogação, com o braço em uma tipoia. Gerd Mueller marcou dois gols, mas a Itália marcou três vezes e venceu por 4 a 3.

Beckenbauer era conhecido por sua dureza
Beckenbauer era conhecido por sua durezaAFP

1972: Bola de Ouro histórica

O goleiro da extinta União Soviética Lev Yashin, em 1963, tinha sido o único não atacante a ganhar a Bola de Ouro desde sua criação em 1956. Beckenbauer, um líbero naquela fase de sua carreira, mudou isso quando venceu em 1972, depois de levar a Alemanha Ocidental ao título europeu na Bélgica. 

Ele superou os companheiros de equipe da Alemanha Ocidental, Gerd Mueller, e o meio-campista Guenther Netzer, que empataram em segundo lugar com dois votos a menos.

Quatro anos depois, ele ganhou o prêmio pela segunda vez. Na história do troféu, apenas dois outros zagueiros venceram: Matthias Sammer, da Alemanha (1996), e Fabio Cannavaro, da Itália (2006).

Franz Beckenbauer posa com uma escultura de sua efígie
Franz Beckenbauer posa com uma escultura de sua efígieAFP

1974: Título mundial em casa

Nascido em Giesing, um bairro de classe operária no sul de Munique, Beckenbauer jogou pela primeira vez no Estádio Olímpico da cidade, construído para os Jogos de 1972, na Copa do Mundo de 1974.

Apesar de uma derrota humilhante para a Alemanha Oriental na fase de grupos, os alemães ocidentais chegaram à final contra a Holanda de Johan Cruyff e venceram por 2 a 1. O capitão Beckenbauer ergueu o troféu diante de 78.200 espectadores.

Beckenbauer levanta a Copa do Mundo em 1974
Beckenbauer levanta a Copa do Mundo em 1974AFP

1976: Um triplo europeu

Beckenbauer também acumulou troféus em seus clubes. No Bayern de Munique, ele completou três títulos da Copa dos Campeões da Europa em 1976, quando o Bayern venceu o Saint-Etienne por 1 a 0 em Glasgow. Com o Bayern, Beckenbauer acrescentou um 13º e último troféu como jogador, a Copa Intercontinental, contra o Cruzeiro, em novembro de 1976.

1990: Seguindo os passos de Zagallo

Depois que a Alemanha foi eliminada da Euro 1984 na primeira rodada, Beckenbauer, que havia dito que não queria ser técnico, cedeu ao chamado e assumiu o cargo.

Ele levou a Alemanha à final da Copa do Mundo de 1986, onde perdeu para a Argentina de Diego Maradona (3 a 2). Quatro anos depois, em Roma, a Alemanha se vingou da Argentina, vencendo a final por 1 a 0.

Beckenbauer igualou o feito do brasileiro Zagallo ao vencer a Copa do Mundo como jogador e como técnico, um feito posteriormente alcançado pelo francês Didier Deschamps.

Franz Beckenbauer (esq.) segura o troféu da Copa do Mundo
Franz Beckenbauer (esq.) segura o troféu da Copa do MundoAFP

2006: Beckenbauer dirige a Copa do Mundo

Beckenbauer entrou para a administração, tornando-se presidente do Bayern. Em seguida, liderou a candidatura da Alemanha para a Copa do Mundo de 2006, embora a vitória de 12 a 11 sobre a África do Sul na votação tenha atraído a atenção dos tribunais suíços, manchando a reputação de Beckenbauer.

Durante o evento, Beckenbauer foi mais uma vez a estrela, voando de helicóptero de um estádio a outro, participando de 48 das 64 partidas e se relacionando com os líderes mundiais.

Thierry Henry, da França, aperta a mão de Franz Beckenbauer
Thierry Henry, da França, aperta a mão de Franz BeckenbauerAFP