Brasil parte com 11 surfistas para fazer bonito na 1ª etapa da Liga Mundial de Surfe

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Brasil parte com 11 surfistas para fazer bonito na 1ª etapa da Liga Mundial de Surfe
Brasil parte com 11 surfistas para fazer bonito na 1ª etapa da Liga Mundial de Surfe
Brasil parte com 11 surfistas para fazer bonito na 1ª etapa da Liga Mundial de Surfe
Ed Sloane
A seleção brasileira com 11 dos mais renomados atletas do mundo está pronta para fazer a diferença na abertura de torneio de nível internacional. Poderíamos estar falando sobre o time de futebol na Copa do Mundo, mas trata-se dos escolhidos para representar o país na World Surf League (WSL), a maior competição do planeta na modalidade.

Todas as 10 etapas de 2023 serão transmitidas ao vivo pelo site da WSL e pelos canais SporTV. A primeira delas acontece na ilha de Oahu, no Havaí (EUA), local que conta com os famosos e desafiadores tubos de Banzai Pipeline, entre 29 de janeiro e 10 de fevereiro.

Italo Ferreira terminou a temporada 2019 no topo do mundo
Brent Bielmann

Serão 10 homens e uma mulher com a missão de chegar no lugar mais alto possível. Três dos rapazes já sentiram o sabor de ser campeão mundial. Filipe Toledo entrou, em 2022, no seleto grupo de oito campeões que vão competir no WSL Championship Tour 2023. Além dele, já terminaram a temporada no topo o tricampeão Gabriel Medina, número 1 do mundo em 2014, 2018 e 2021, e Ítalo Ferreira, melhor da temporada 2019. 

No feminino, a missão está nas mãos (e nos pés) de Tatiana Weston-Webb. Ela chegou a participar do Rip Curl WSL Finals de 2021, mas perdeu a melhor de três para Carissa Moore e ficou com o vice-campeonato, assim como as compatriotas Silvana Lima e Jacqueline Silva anos atrás.

Os outros brasileiros na disputa são Jadson Andre, Miguel Pupo, João Chianca, Samuel Pupo, Yago Dora, Caio Ibelli e Michael Rodrigues.

Filipe Toledo é o atual campeão mundial de surfe
Beatriz Ryder

Outros destaques estão entre os gringos. O cinquentão Kelly Slater, que venceu o Billabong Pro Pipeline pela 8ª vez em 2022, busca seu 12º título mundial. O havaiano John John Florence completa a lista de campeões no grupo dos top-34, que iniciarão a temporada esse ano.

A primeira fase das etapas do WSL Championship Tour é classificatória e não elimina ninguém. Na categoria feminina, as vencedoras das seis baterias avançam para as quartas de final. As duas perdedoras de cada uma têm outra chance na segunda fase.

Na masculina, os ganhadores das 12 baterias passam direto para as oitavas de final, com o segundo e terceiro colocados em cada, tendo que disputar a repescagem. Nenhum dos dez titulares da seleção brasileira foi escalado na mesma bateria.

Tati Weston-Webb é a representante solitária do Brasil na competição
Brent Bielmann