Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

F1 revela carro “ágil” para nova era que começa em 2026

Novos carros funcionarão com combustível 100% sustentável
Novos carros funcionarão com combustível 100% sustentávelFórmula 1
A Fórmula 1 entrará em uma nova era em 2026, com carros menores e mais leves, com aerodinâmica ativa e um sistema de substituição manual para liberar mais energia elétrica e ajudar a tornar as corridas mais emocionantes.

A FIA, órgão regulador, apresentou os regulamentos técnicos nesta quinta-feira (6) e disse que a nova geração de carros “ágeis” seria 30 kg mais leve, com melhor eficiência e manuseio.

As unidades de potência híbridas mais simples terão quase 300% mais energia de bateria e uma divisão uniforme entre combustão interna e elétrica.

O controle manual, que substitui efetivamente o Sistema de Redução de Arrasto (DRS), fornecerá uma explosão sob demanda de energia da bateria para criar mais oportunidades de ultrapassagem.

O presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, saudou “uma revisão única que garantirá que nosso principal campeonato seja ainda mais relevante para o que está acontecendo no mundo”.

“Criamos um conjunto de regulamentos projetados não apenas para melhorar as corridas, mas também para tornar o campeonato ainda mais atraente para os fabricantes de PU (unidade de potência), OEMs e concorrentes existentes”, disse ele em um comunicado.

"As principais características do Regulamento da F1 de 2026 são a tecnologia avançada de sustentabilidade e a segurança. Nosso objetivo, juntamente com a Fórmula 1, era produzir um carro adequado para o futuro da categoria de elite do esporte. Acreditamos que atingimos esse objetivo."

A Fórmula 1 terá 10 equipes e seis fabricantes de unidades de potência a partir de 2026 - Ferrari, Mercedes, Renault, Honda, Audi e Red Bull Ford - e os carros funcionarão com combustível 100% sustentável.

Os regulamentos, revelados em Montreal antes do Grande Prêmio do Canadá deste fim de semana, serão ratificados pelo Conselho Mundial de Esportes Motorizados da FIA em 28 de junho.

A largura dos carros diminuirá de 2,0 metros para 1,9, com a largura máxima do assoalho reduzida em 150 mm e a distância entre eixos caindo de um máximo de 3,6 metros para 3,4.

Os carros de 2026 pesarão no mínimo 768 kg, enquanto o downforce será reduzido em 30% e o arrasto em 55%. A largura dos pneus dianteiros será reduzida em 25 mm e a dos traseiros em 30 mm, também economizando peso.

Os sistemas de aerodinâmica ativa envolvem asas dianteiras e traseiras móveis, produzindo maiores velocidades em curvas com o modo padrão “Z” ativado.

Os pilotos podem então mudar para o modo “X” de baixa resistência nas retas para ir mais rápido. A asa traseira terá três elementos e a asa dianteira mais estreita terá uma aba ativa de dois elementos.

“Precisamos ter um conceito de carro que se adapte à unidade de potência”, disse o diretor técnico de monopostos da FIA, Jan Monchaux.

Por isso, decidimos optar pelo que chamamos de carro “ágil”, um carro um pouco menor com menos downforce, mas com grande foco na redução do arrasto.

"No momento, com o DRS, você está atrás de um carro, dentro de um segundo, que marca uma caixa e você pode abrir o DRS em linha reta. Esse não será mais o caso.

“No entanto, a lógica será a mesma: se eu estiver perto o suficiente de outro carro, recebo uma quantidade extra de energia para aquela volta, que pode ser usada da maneira que eu quiser.”

Os arcos das rodas dianteiras serão removidos e os carros apresentarão um assoalho parcialmente plano e um difusor de menor potência para reduzir o efeito de solo.

As novas medidas de segurança incluem maior proteção contra intrusão lateral, luzes de placa de extremidade da asa traseira significativamente mais brilhantes e cargas de aro de rolagem maiores.