Surfista brasileiro de ondas gigantes morre após sofrer queda em Nazaré

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Surfista brasileiro de ondas gigantes morre após sofrer queda em Nazaré
Surfista brasileiro de ondas gigantes morre após sofrer queda em Nazaré
Surfista brasileiro de ondas gigantes morre após sofrer queda em Nazaré
Profimedia
Um surfista brasileiro de 47 anos morreu enquanto surfava em Nazaré, centro de Portugal, tornando-se a primeira vítima deste célebre point de ondas gigantes, anunciaram as autoridades locais.

"Um homem de 47 anos, de nacionalidade brasileira, morreu esta tarde, após sofrer uma queda ao praticar surfe rebocado na Praia do Norte", informou, em nota, a Autoridade Marítima Nacional.

"Os socorristas constataram que a vítima sofreu parada cardiorrespiratória e começaram imediatamente as manobras de reanimação na areia (...) Após várias tentativas, não foi possível reverter a situação", acrescentou o comunicado.

Segundo fontes locais consultadas pela AFP, a vítima seria Márcio Freire, um dos veteranos do chamado surfe XXL, que residiu por cerca de 20 anos no Havaí, meca do surfe internacional. Ainda segundo as fontes, as condições do mar nesta quinta-feira não eram particularmente perigosas.

Márcio fazia parte do “Mad Dogs” (cachorros loucos), grupo que formava ao lado de Danilo Couto e Yuri Soledade. O trio era conhecido por desafiar ondas gigantes em uma época diferente da atual com os vários aparatos de segurança.

A cada inverno, a Praia do Norte é invadida por surfistas. Esta praia oferece condições excepcionais para surfar ondas gigantes, em razão do fenômeno geológico chamado "canyon de Nazaré": uma falha submarina de 170 km de extensão por 5 km de profundidade, na qual a ondulação do oceano Atlântico se precipita antes de ser empurrada para a superfície até chegar à costa.

Foi ali que o alemão Sebastian Steudtner bateu o recorde da maior onda já surfada, ao descer um paredão de 26,2 metros em 29 de outubro de 2020. Vários acidentes foram registrados no local, desde que o americano Garett McNamara o revelou para a comunidade de surfistas de ondas gigantes, no começo dos anos 2010, mas nenhum tinha sido fatal até esta quinta-feira.

Mencionados