Surfe: Brasileiro Filipe Toledo supera americano e fatura etapa de Sunset da WSL

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Surfe: Brasileiro Filipe Toledo supera americano e fatura etapa de Sunset da WSL
Filipinho soma 14 títulos em 21 etapas do Circuito Mundial. 
Filipinho soma 14 títulos em 21 etapas do Circuito Mundial. 
AFP
O Brasil não demorou para mostrar sua força e ter um representante como campeão de uma etapa da WSL, a Liga Mundial de Surfe. Na noite deste domingo, Filipe Toledo, campeão mundial de 2022, venceu a etapa de Sunset Beach, a segunda da temporada.

Na decisão, ele superou, em duelo acirrado, o americano Griffin Colapinto por 17.74 a 16.10. O resultado deu a Filipinho a vice-liderança do ranking, atrás do australiano Jack Robinson, que chegou até as semifinais em Sunset. O brasileiro soma, com o mais novo resultado, um total de 14 títulos em 21 etapas do Circuito Mundial. 

“Estou muito feliz, estou aqui com minha família, minha esposa, filhos, isso é muito importante para mim. Eu amo competir e poder fazer isso junto com a família, é incrível. Ganhar esse troféu de campeão aqui nesse lugar de muita história, estar no pódio no Havaí, é incrível.

"Ainda poder mostrar pros meus filhos que é possível isso, é mais incrível ainda. Mas, manter a humildade é o mais importante, respeitar todo mundo, isso é o que importa e eu estou muito, muito feliz”, comemora. 

Filipinho venceu dois brasileiros para chegar à decisão
AFP

Filipe não teve vida fácil pra chegar na decisão, precisando vencer dois compatriotas para se garantir no momento mais importante da etapa. Caio Ibelli foi derrotado nas quartas de final antes de João Chianca, o Chumbinho, virar vítima na semifinal. Chumbinho também deu muito trabalho para Filipinho, com o placar mostrando como a disputa foi equilibrada: 16.33 a 15.54. A próxima parada do Tour será de 8 a 16 de março em Peniche, Portugal.

“No ano passado, consegui meu objetivo, que era o título mundial e sinto que aprendi muito. Me sinto bem mais preparado para enfrentar situações como essas que vivi neste domingo. Eu treinei bastante e acho que estou pronto para qualquer coisa. É chato competir contra amigos, como o Chumbinho (João Chianca), o Caio (Ibelli) e até o Griffin (Colapinto).

"Ele começou a final com um 9 e, mesmo assim, parecia nervoso. Eu me senti calmo, sabia que a onda certa ia vir e eu ia fazer o necessário para conseguir a nota que precisava. Estou amarradão que deu tudo certo e por conseguir ganhar uma final do Griffin”, relata. 

Filipinho assumiu a vice-liderança do ranking
AFP

Feminino

Entre as mulheres, o título ficou com a australiana Molly Picklum. Ela venceu uma etapa pela primeira vez na carreira, aos 20 anos de idade. Na final, vitória sobre a americana Caroline Marks por 10.90 a 9.90. Picklum, com o resultado, divide a liderança do ranking com a havaiana Carissa Moore, que ficou, em Sunset, pelo caminho, ao chegar nas quartas de final. As brasileiras Tatiana Weston-Webb e Luana Silva chegaram até as oitavas de final. 

“É apenas uma cor de camisa, mas estou feliz por estar no topo, porque é onde quero estar, onde acredito que posso estar. Estou muito feliz por vencer este evento, que é tão desafiador. Acho que o segredo é nunca perder a confiança e realmente acreditar em si mesma o tempo todo.

"O nível do surfe feminino é insano. Você pode estar no Challenger Series um ano e já vencer um evento do CT no outro. Então, estou muito orgulhosa de mim mesma e, momentos como esse, fazem tudo valer a pena”, conta Molly Picklum.